43Visualizações |  Like

Diretiva da UE sobre a harmonização dos requisitos de transparência das empresas cotadas tem um impacto positivo na qualidade de informação

A discussão sobre os efeitos da regulação no funcionamento dos mercados de capitais é longa e está ainda longe de ser consensual. É neste sentido que Gilberto Loureiro, professor da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho e investigador do Núcleo de Investigação em Políticas Sociais e Empresariais (NIPE), e Sónia Silva, também investigadora do NIPE, elaboraram um estudo sobre o impacto das diretivas da UE, particularmente a Diretiva da Transparência (TPD) que visa melhorar a qualidade da informação divulgada pelas empresas através do seu reporte financeiro, no ambiente informacional que rodeia o anúncio das aquisições que envolvem as ações das empresas adquirentes como principal método de pagamento.
Neste estudo, foi demonstrada evidência de um aumento significativo na rendibilidade dos adquirentes europeus coincidente com as datas dos anúncios dessas aquisições após a alteração da regulação. Foi também documentado que este resultado se deve essencialmente a empresas com melhor qualidade informacional e a empresas domiciliadas em países da UE com melhor qualidade institucional e cujo ambiente legal confere maior proteção aos acionistas. Os resultados sugerem que a mesma regulação tem efeitos diferentes dependendo do país onde é implementada.

+ informação